AMANHÃ . UMA HISTÓRIA DE ESPERANÇA


slower_amanha%cc%83_02

Tinha na manga um outro post para esta semana, mas uma ida ao cinema no fim-de-semana passado veio alterar esses planos.

Todas as semanas nos chegam notícias e números esmagadores que nos fazem temer pelo mundo que vamos deixar à geração seguinte. Muitas dessas notícias são sacudidas, não apenas por serem incómodas, mas porque essa nos parece uma realidade distante, perante coisas, por vezes menos relevantes mas mais urgentes que temos que resolver todos os dias.

É comum que, mesmo sensibilizados para esse tema, nos possamos sentir esmagados e impotentes. No entanto, é urgente reconhecer que a forma como vivemos afecta o mundo à nossa volta e agir tirando partido das ferramentas que temos.

Foi o que fizeram Cyril Dion e Mélanie Laurent, depois de lerem um estudo que anunciava o possível desaparecimento da espécie humana até 2100. Com uma equipa de quatro pessoas, fizeram-se à estrada em busca de projectos e pessoas que, um pouco por todo o mundo, estão a fazer a diferença. Pelo caminho conheceram pioneiros que estão reinventar a agricultura, a energia, e economia, a democracia e a educação. O resultado é o filme “Amanhã”, um documentário tão positivo quanto obrigatório.

VERÃO . PARTE II


slower_ferias_21

Chegámos com uma onda de calor abrasador e passámos os primeiros dias aqui, praticamente submersos (água a 25º, algo nunca visto) e sem fazer nenhum, como se quer.

Foram dias para, sobretudo, aterrar, para respirar este ar com os pés bem firmes na terra, com almoços pela tarde fora, idas à aldeia, para apanhar amoras com os miúdos e fazer compotas para o outono, tudo intercalado com muitos mergulhos de piscina. O calor foi tanto nestes dias, que só mais pelo lusco fusco é que nos atrevemos a sair para ir à Feira, também conhecido como o segundo programa mais esperado do verão (o primeiro são os escorregas mais a sul).

VERÃO . PARTE I


Passeios em silêncio

Só domingo passado demos por terminadas as férias. Tivemos duas semanas no final de julho e guardei uma de despedida para setembro. É por isso que só agora, em véspera do início das aulas, começo a olhar, já em nostalgia pelos dias compridos e noites quentes, para as fotografias que contam a história do nosso verão.

Estivemos pelo sul, norte, oeste e também pelo de centro. Houve praia e campo. Houve festa e romaria, dança, carroceis, farturas e gincanas. Mergulhos de mar, piscina, barragem, rio. Noites dormidas em caravana e na tenda. Passeios a pé, de carro, comboio e barco. Novos lugares e experiências e também o regresso a rituais e sítios onde nos sentimos em casa. Família e amigos que nos acompanharam em aventuras e nos abriram as suas portas. E muito mais. Deixo a primeira parte em imagens que valem mais que palavras.

LIMPEZA DE PRAIA COM A BRIGADA DO MAR

slower_limpeza_praia_1Depois da boa experiência de voluntariado na serra em setembro passado, fiquei a pensar quando a poderíamos repetir. Fazê-lo ao ar livre e pela protecção da natureza foi fundamental para ganhar a adesão das crianças mas, pensei que, quando chegasse a altura, também seria bom aproveitar o bom tempo e variar o cenário participando numa limpeza de praia.

Com uma rápida pesquisa online encontrei a Brigada do Mar e fiquei a saber que iam promover uma acção limpeza de praias durante 15 dias, a partir do Parque de Campismo da Galé e abrangendo 45 km de faixa costeira.

Era o perfeito dois em um e agarrámos a oportunidade, juntando a limpeza de praia ao fim-de-semana de campismo há tanto prometido.

ACAMPAR A TRÊS

slower_campismo_01

Acampar em família é o sonho de férias para muitas crianças e eu não fui diferente. Sonhava com a  aventura e dias sem outra coisa para fazer, senão o estarmos juntos no meio do nada e explorar o que houvesse a explorar. A vontade de acampar trazia consigo, sei agora, o desejo de reforçar o sentido de pertença entre nós e estende-lo ao mundo em redor.

Os adultos lá de casa não eram, no entanto, grandes amantes do ar livre (não se pode ter tudo) e a experiência não se proporcionou. Vim a acampar pela primeira vez já adolescente, em campos de férias, e alguns anos mais tarde, num registo já mais independente, foi dessa forma que descobri a costa vicentina e algarvia. Durante muitos verões, a tenda era montada por uns dias em praias quase desertas e acordar na praia é das boas recordações que guardo.

DESTRALHAR . 1º MÊS


Slower . Desafio Destralhar

Passou o 1º mês do Desafio Destralhar e a mudança já se começa a sentir, física e mentalmente. O balanço destas primeiras semanas tem sido muito positivo e está-me a dar tanto gozo olhar em volta, tirar estas fotografias e ver como tudo está mais arejado e bonito, que estou cheia de vontade de avançar para as próximas etapas. Tem sido um processo mais simples do que esperava, muito graças a esta cábula, ferramenta sem a qual estaria perdida.

SEMANA 1 . ROUPA
Afinal a etapa da roupa foi bem mais fácil do que imaginava. Ao espalhar no chão tudo o que tinha nos armários e gavetas tornou-se muito clara a distinção entre a roupa que queria guardar e a roupa que já não pertencia ali. Boa parte já não era usada há muito tempo e não me trazia alegria nenhuma. Coisas que já não fazem sentido, pois fizeram parte de uma situação passada, em que a vida era diferente.
Ficaram 3 gavetas e 1/3 de armário livres, além das outras gavetas estarem bem mais folgadas e de já não ter roupa pousada no fundo do armário.

AMACIADOR DE ROUPA . ALTERNATIVAS SEGURAS E ECOLÓGICAS


slower_amaciador_01No nosso dia-a-dia somos bombardeados com químicos tóxicos, presentes em produtos que de amigos do ambiente não têm nada. Esses mesmos químicos, lemos por essa internet fora, podem-nos causar irritações, alergias, doenças e até mesmo distúrbios hormonais. Claro que encontramos também artigos que nos asseguram que não está provada a relação entre causa e efeito ou que estes estão presentes numa quantidade inofensiva. No entanto, na dúvida, se puder, evito-os, como já falei aqui.

É que a somar a isto, alguns destes produtos não são tão essenciais assim ou podem ser substituídos por alternativas caseiras mais acessíveis e seguras. Um bom exemplo disto, é o amaciador de roupa.

3 DIAS


… de fim-de-semana dão para muita coisa!

Fazer novos amigos.
Fugir de uma manada de novos amigos.
Chafurdar na lama (no melhor sentido da coisa).
Apanhar esta hora do lusco fusco.
Acordar com esta luz.
Nadar na piscina mais comprida.
Seguir o rasto de raposas, armados até aos dentes.
Cheirar e ver a esteva em flor de novo.
Observar o macro…
… e o micro cosmos.
Conquistar a praia para mais um verão.

 

 

O CICLO DE VIDA DA NOSSA ROUPA


o ciclo de vida da nossa roupaQuem se iniciou na última semana no desafio destralhar, por esta altura já se começou a perguntar o que é que vai fazer aos sacos de roupa excedente que juntou.

Enquanto isso, esta semana o Fashion Revolution, um movimento que surgiu na sequência do desastre do Rana Plaza que causou 1.134 mortos no colapso de uma fábrica têxtil no Bangladesh em 24 de Abril de 2013, marca esta data com a Fashion Revolution Week, com o objectivo de consciencializar o mundo sobre a exploração nesta industria e apelando à sua transparência, com a pergunta #whomademyclothes.

Por estas duas razões, esta semana falo-vos aqui sobre o ciclo de vida da nossa roupa: de onde vem e para onde vai.

DESAFIO DESTRALHAR


slower_desafiodestralharDepois do desafio proposto a mim mesma e de um começo menos radioso, voltei a ler novamente sobre o tema e procurei pela internet uma lista com as categorias que me pudesse ajudar a seguir a ordem das coisas. Encontrei algumas, mas rapidamente senti necessidade de adaptar o que encontrei em inglês, à nossa língua e a uma realidade mais portuguesa.

À medida que a fui reescrevendo, o desafio foi desenvolvendo outra forma, até que me entusiasmei e senti que fazia sentido não só partilhá-lo aqui, como também desafiar-vos a fazerem-me companhia, participando.