SETE DIAS SETE PRATOS · LU VALLES

Comecei por conhecer um bocadinho da Lu e da sua família pelo Rebuçado Ácido, o primeiro blogue português com um foco em moda infantil sem fru-fru. Na altura, uma verdadeira lança em África, no meio de tanta gola rendada e laçarotes. Anos largos mais tarde fui dar, via instagram, com uma talentosa fotógrafa que captava o dia-a-dia dos seus filhos tal como ele era: autêntico, sem os tais fru-frus e que ainda por cima, parecia viver em Portugal. Facto que me deixou mais curiosa, já que este estilo de fotografia de família completamente diferente do que se via por cá. Era novamente a Lu, claro.

Eu adorava as fotografias e registo da Lu. Através dele, descobri alguns pontos em comum e acabámos por trocar alguns comentários e mensagens ocasionais. Até que um dia, a Lu mandou-me um email, propondo retratar a nossa família de forma espontânea e sem pose. Digo sempre que abrir este e-mail foi como receber um presente: não só nos trouxe as nossas fotografias mais bonitas e autênticas dos últimos anos, como nos trouxe também a sua amizade.

Queridos leitores, hoje no Sete Dias Sete Pratos, a talentosa e sempre à frente, Lucianne Valles:

Eu gosto imenso de comer bem, sempre gostei e era uma criança que comia de tudo – adoro dizer isso aos meus filhos. Nasci no Brasil num período de crise e comer fora não era sequer opção. Ambos os meus pais cozinhavam, cada um no seu estilo, um completamente diferente do outro. A minha mãe, como boa italiana, fazia muitas massas e quase todos os pratos levavam molho de tomate. O meu pai, por sua vez, era especializado em carnes. Os seus assados no forno, todos os domingos, são uma lembrança muito forte da minha infância.

No entanto, comíamos muitas vezes bife com arroz nos dias de semana, facto que uma vez levou, a que eu e o meu irmão organizássemos uma “rebelião”. Estávamos fartos e queríamos mais criatividade na cozinha.

Hoje penso nisso, porque estou do outro lado e sei como é difícil encontrar energia todos os dias para fazer um jantar criativo depois de um longo dia de trabalho. Mas mesmo assim procuro variar os pratos, sem complicar demasiado a minha vida, embora às vezes falhe neste objectivo… Algo que eu faço sempre, numa tentativa de me poupar tempo, é ir ao mercado público comprar legumes, frutas, carne e peixe, sempre tendo em mente os pratos que irei fazer durante a semana.

SEGUNDA-FEIRA · Pescada no forno com legumes cozidos
Para começar a semana pegando leve com um prato simples de fazer. Um pouco de azeite no fundo de um tabuleiro, cebola, tomate, pimentos, a pescada temperada com sal, alho e sumo de limão e muitos coentros. Para acompanhar batata, batata doce e cenoura. Confesso que os legumes nem sempre fazem muito sucesso.

TERÇA-FEIRA · Feijoada vegetariana
Ando obcecada com os grãos e faço muitas vezes numa tentativa de ter uma refeição reforçada mas sem carne. Esta feijoada é super rápida de fazer e perfeita para os dias com pouco tempo ou disposição. Refogo cebola, alho e cenoura primeiro, depois acrescento tomate picado e courgette e deixo cozer. Quando os legumes já estiverem macios, acrescento o feijão já cozido com a água de cozedura.

QUARTA-FEIRA · Massa com camarão ao alho
Quarta-feira é o dia que o pai não janta connosco, pois vai jogar futebol, por isso não passo muito tempo na cozinha a inventar. Todos os meus filhos adoram camarão e digo isto porque é raro ter unanimidade lá em casa.
Como fazer: pôr azeite numa frigideira com 3 dentes de alho, sal, pimenta e paprika. Deixar dourar e a seguir acrescentar os camarões com sumo de limão e coentros. Está pronto quando os camarões tiverem cozidos. Depois é só juntar ao esparguete.

QUINTA-FEIRA · Rolo de carne, arroz e couve-flor com queijo
Carne só é uma unanimidade lá em casa se for picada e de preferência em formato de hambúrguer. Gosto sempre de temperar a carne picada, seja para hambúrguer, almôndegas ou rolo de carne. Ponho a carne numa tigela e junto um ovo cru, pão ralado ou bolacha de água e sal esmagada, parmesão (muito!), mostarda, cebola e alho, sal e pimenta. Amasso tudo e espalho sobre película aderente. No meio coloco mozzarella de búfala e tomate e enrolo. Vai ao forno num tabuleiro com um pouco de azeite. A couve-flor é cozida com água e sal e quando estiver pronta, dourar numa panela com manteiga, bastante parmesão e orégãos.

SEXTA-FEIRA · Pizza
Sexta-feira é aquele dia que estar na cozinha é a última coisa que me apetece. Às vezes encomendamos pizzas, às vezes fazemos e os mais velhos fazem questão em ajudar.

SÁBADO · Caril de frango
Dos nossos pratos preferidos, o caril de frango é sempre uma boa solução. Refogo cebola, o alho e o tomate e acrescento uma colher ou duas de caril. Deixo fritar um pouco e adiciono os quadrados de frango. Tampo e deixo cozer por uns 10 minutos. Depois junto o leite de côco com uma maçã aos quadrados. Os coentros picados vão à parte.

DOMINGO · Sopa de feijão e massa
Digo aos meus filhos que domingo é o dia de sopa porque é a única forma de os fazer comer mais legumes. Quando se torna um ritual, é ainda mais fácil. Faço a sopa com vários legumes e quando está pronta junto metade dos feijões cozidos à parte e trituro tudo. Também à parte cozo a massa (conchinhas ou cotovelinhos). No fim é só juntar os três: sopa triturada, feijões e massa. Come-se com muito parmesão.

NÃO VAMOS ESQUECER · PROGRESSOS


Desde o momento em que as pessoas de Covas e Vila Nova de Oliveirinha entraram na minha vida que ela mudou. Para melhor. Tenho pena de os ter conhecido no momento em que a vida deles mudou por uma razão tão triste mas tenho  um enorme sentimento de pertença com aquela terra, com aquela gente. Tenho vontade de estar sempre lá, de viver lá, de levar toda a gente para lá. De mudar a cor daquela paisagem.LER MAIS

UM ANO MÁGICO


Adoro dar presentes, é das coisas boas que o Natal me traz. Tenho um enorme prazer no dar e no receber também. Tento apontar para menos e melhor, esperando transmitir o valor cada presente, dado com intenção.

Às vezes é um bocadinho mais caro do que gostava. Às vezes é de borla e dá um trabalhão. Às vezes é de borla e é fácil fácil. O que importa é que tenha a cara de quem o vai receber e assim também se garante que quem dá recebe a dobrar.LER MAIS

SETE DIAS SETE PRATOS · OS CAVACOS


Conhecemos os Cavacos em 2011. Na altura tinha o Jacinto 4 anos e passava os dias a cantar de cor as canções do Tiago. Um dia o Francisco viu o Tiago na rua e, literalmente “seguiu-o” para lhe pedir um autógrafo para levar ao Jacinto. Conversaram muito nesse dia.

No dia seguinte o Tiago, que era na altura pastor numa igreja perto do trabalho do Francisco, apareceu para um café, mais conversa e ainda lhe ofereceu uma série de discos da “Flor Caveira“. Daí nasceram muitas conversas e uma grande amizade. Entre eles, entre nós, entre todos.LER MAIS

#VIVERDEVAGAR · OUTUBRO


@lucianevalles

Andava a empurrar com a barriga este #viverdevagar. Não sabia por onde começar a falar do Outubro que passou. Depois ocorreu-me o óbvio. Pelo principio, com o que vai cá dentro, mesmo que confuso e crú.

Passo os olhos pelas vossas fotos deste mês e vejo alegria, natureza, pausa, cores e sabores de outono. Passo os olhos pelas minhas e pergunto-me como é que Outubro cabe nelas. Como é que o meu Outubro intenso, acelerado e com muito pouco vagar, coube nestas minhas fotos silenciosas e tranquilas?

LER MAIS

SETE DIAS SETE PRATOS · DANIELA E HELDER


Das coisas boas que às vezes acontecem aqui é recebermos mensagens vossas, por isso ficámos felizes quando recebemos o email da Daniela a propôr partilhar a rotina da “ausência de rotina” da família dela no que toca a refeições – tomara a muitos uma “não rotina” destas! Mais feliz ainda ficámos quando recebemos os sete pratos. Não só não há nenhum que não queira experimentar, como adorei a boa energia que corre nesta familia à volta do prazer da comida e rápidamente me senti transportada um destes jantares sem relógio e bem regados.

LER MAIS

NÃO VAMOS ESQUECER


Desde os incêndios de Outubro que a Maria e eu, andamos a tentar perceber como podemos contribuir para apoiar as populações que sofreram com esta tragédia e prevenir outras. Pedimos-vos ajuda inclusivé, porque mais cabeças pensam melhor.

E tivemos resposta. Chegaram-nos ideias e contributos de várias formas e feitios, interessantes e válidos. A ideia era, partindo daí, fazer uma selecção e reunir iniciativas que iam desde manifestar, votar, educar, plantar, contribuir a várias outras.LER MAIS

SETE DIAS, SETE PRATOS · MARINA COSTA AMADO


A amizade da Nina foi um dos bons “presentes” que esta “coisa” da Internet me trouxe.

A Nina era uma assídua e querida seguidora do seismaisdois. Um dia a Nina e o Ricardo escolheram vir festejar o primeiro aniversário da sua filha em Portugal e, recebi deles um e-mail a perguntar por sítios bonitos para um piquenique. Mas, na verdade eu sabia que o tempo andava incerto e então convidei-os para um lanche pequeno e familiar, para festejar o aniversário da pequena Thereza. E assim foi. A verdade é que desde que entraram na nossa porta nesse dia até hoje ficámos com uma forte amizade com esta família. Mesmo a um oceano de distância.

LER MAIS