SETE DIAS SETE PRATOS · OS ORTEGAS


Antes de mais, gostava de pedir desculpa pelo atraso na ementa desta semana. Foi o feriado, o advento, a árvore de Natal. Entrada no mês. Saída do mês.

Aproveitámos a deixa e “empurrámos” esta ementa para hoje, pois é o dia de aniversário de quem a escreveu!!

A Rita faz hoje anos. É minha grande amiga, companheira de “crafts”, de desperdício zero, de noitadas e de férias. De gargalhadas, de troca de ideias, de copos, de filhos e de amigos. Enfim companheira de vida e há uma vida! Parabéns Rita!

Os Ortegas são como se fossem parte da nossa família de tal forma que os nossos filhos se tratam por “primos”. Queridos leitores tenho o grande orgulho de apresentar esta família e a sua ementa para uma semana de jantares:

Olá a todos, nós somos os Ortegas, uma família de mãe, pai, três filhos, uma cadela e 5 galinhas. Vivemos no Ribatejo, apesar de haver quem estuda e trabalha em Lisboa. Esta realidade implica uma dinâmica diária exigente e que tem que estar bem oleada, para assim compensar viver numa pequena vila, numa casa que nos permite ter espaço, rua e largueza.

A nossa rotina diária exige sairmos cedo de casa, mas permite também chegar relativamente cedo. Normalmente estamos em casa por volta das 17h30 e aí é o momento de descompressão. Todos paramos e fazemos o que nos apetece durante 1 hora. A partir daí cada um vai aos seus deveres: estudos, tpc’s, cozinha, tratar das galinhas (tarefa do nº 3 cá de casa) banhos, etc. Por volta das 19h30 estamos a jantar (precisei de vir viver para o campo para apreciar a vantagem de jantar cedo) o que nos dá ainda tempo para algum serão com os miúdos e sem os miúdos que também é muito necessário!

Para tudo isto funcionar o planeamento é uma ferramenta essencial. Normalmente faço-o domingo antes do jantar e assim arranco para segunda-feira com menos um assunto a tratar. Muitas vezes os planos alteram-se e algumas refeições passam de uma semana para a outra, mas nunca fico pendurada, o que para mim é um alívio mental importante.

Temos a enorme sorte de ter uma horta, um pomarinho e galinhas em casa e de ter, no Algarve, a hipótese de criar todos os anos um porco para nosso consumo, bem como ter uma horta mais bem tratada e uma produção variada de fruta. Por isso a primeira premissa de qualquer ementa cá em casa é perguntar “o que é que temos a dar agora?”. Para mim, que sou a cozinheira oficial, e que gosto bastante de o fazer, é quase como que um jogo: fazer mega omeletes com os ovos que tenho à mão. Um exercício de criatividade, pesquisa, economia e que me entretém quase tanto como uma bela jogatina de catan.

Queremos estar ligados ao ritmo natural das coisas, à sazonalidade, ao esperar um ano inteiro por aquela fruta que adoramos, ao perceber a riqueza que é conhecer a Lúcia da frutaria que nos aconselha os diospiros, o Luís da banca do peixe que nos diz para levar as douradas em vez dos robalos ou a Sra do talho que me trata por “minha querida” e que oferece uma linguiça. Queremos estar ligados ao trabalho que dá produzir o que consumimos, se é justo, se é digno, se é consciente.

Somos absoluta e visceralmente contra o desperdício por muitas razões mas, em última análise, por uma questão de dignidade e à nossa mesa há sempre espaço para mais um.

Aqui vos deixamos a nossa ementa. Obrigada ao Slower e beijinhos a todos dos Ortegas.

SEGUNDA-FEIRA · Entrecosto com molho barbeque e legumes assados
Cozer o entrecosto na panela de pressão com água, sal, uma cebola e umas pimentas durante 20 minutos.
Enquanto o entrecosto coze, cortar os legumes. Neste caso, temos batata doce, pimentos, cebola, cogumelos. Pôr num tabuleiro com sal e azeite e forno com eles.
Tirar o entrecosto do lume, escorrer (costumo guardar o caldo) e besuntá-lo com uma mistura de ketchup caseiro, vinagre, mostarda, açúcar mascavado escuro e sal.
Juntar o entrecosto ao tabuleiro dos legumes e deixar estar no forno até estar tostadinho e os legumes cozinhados.

TERÇA-FEIRA · Ratatui de lentilhas
Cozer as lentilhas como habitualmente. Fazer um refogado de cebola, alho e louro. Juntar tomate e especiarias e deixar cozinhar. No fim misturar a lentilhas e deixar apurar 5 minutos.
Para servir juntar queijo da ilha ralado e uma colher de iogurte (caseiro, claro está!)

QUARTA-FEIRA · Cogumelos recheados com pesto, queijo e ovo
Lavar os cogumelos, tirar-lhes o pé e espalhá-los num tabuleiro. Vão ao forno, temperados com sal e azeite.
Quando estiverem cozinhados, juntar um ovo, uma colher de pesto (caseiro para variar), iogurte e/ou queijo mozzarela e de volta ao forno para gratinar. Pode acompanhar com uma salada ou legumes. Desta vez foi apenas com uma torrada.

QUINTA-FEIRA · Pizza de beringela com brócolos salteados
Cortar a beringela às rodelas e deixar de molho em água e sal para perder o “amargo”. Cortar um tomate, um pimento encarnado e uma cebola também às rodelas.
Escorrer a beringela e usá-la como base das “pizzas”. Rodela de beringela, depois tomate, o pimento encarnado e a cebola. Salpicar com sal e pimenta, regar com azeite e levar ao forno até cozinhar.
Quando os legumes estiverem cozinhados, tirar o tabuleiro para fora e juntar a cada “pizza” uma rodela de mozzarela fresca. Levar mais um pouco ao forno para gratinar. No fim, colocar por cima uma folha de manjericão (ou alecrim, tomilho ou o que houver na horta) e servir.

QUINTA-FEIRA · Cogumelos salteados com queijo, quinoa e puré de grão
Para a quinoa, deitar azeite, bacon e alho francês e deixar a refogar na panela. Depois de lavada, juntar a quinoa e deixar saltear 2 minutos. Juntar água (1,5 copo de água para 1 copo de quinoa) e deixar cozinhar.
Saltear os cogumelos cortados em azeite quente e alho. Juntar o sal e esperar que larguem a água. Juntar queijo ralado e deixar derreter. Servir logo.
Para o puré de grão, fazer um refogado de cebola, alho, cominhos, sal e bastante azeite. Juntar o grão deixar saltear 5 minutos. No fim, juntar os coentros. Bater com a varinha e rectificar temperos.
Sempre que faço este puré, faço uma dose grande que congelo para usar num dia que me dê jeito. Hoje foi o caso. Esta é uma das rotinas que tenho muito instaladas e que me dá imenso jeito. Molho de tomate, puré de grão, cenoura ou batata doce, pesto, feijoada, bolonhesa e caril de legumes são alguns exemplos do que costumo congelar.

SÁBADO · Churrasco com saladas variadas
Não precisa de explicação, só precisa de bom tempo, bons ingredientes e boa companhia!
Sempre que podemos fazemos churrasco, carne ou peixe, conforme o que há na praça, que é outro ritual que tentamos fazer sempre que possível e que gostamos muito.

DOMINGO · Descanso da cozinha
Ao domingo normalmente o jantar é o que houver. Pode ser uma sopa, ovos mexidos estrelados, escalfados (que 5 galinhas produzem muito ovo) maçã com manteiga de amendoim (sou particularmente viciada), iogurte com granola e fruta (cá em casa somos fãs da granola em pó do Jamie) e em caso de desespero uma torradinhas com chá e está resolvido. Tudo em nome do descanso e da preparação da semana seguinte.

Maria Cordoeiro
É psicóloga. Tem quatro filhos. Um marido. Dois cães. Gosta de dias tranquilos mas que não lhe fujam dos planos. Gosta de cozinhar, de ouvir música, de costurar, de se deitar tarde, de tricotar e de ir à praia. Gosta de fazer coisas em geral e de pessoas em particular. Ou vice-versa. Tem um blogue onde conta alguns pormenores do seu dia-a-dia e onde fala da sua procura de um equilíbrio que considera urgente: parar e aproveitar todos os momentos, em contacto com a Natureza e com os outros. Em 2017 escreve o livro Viver Devagar e inicia a sua colaboração com o Slower.
PARTILHAR Tweet about this on TwitterShare on FacebookPin on PinterestGoogle+Email to someone

One Comment

  1. Tinha de comentar (directamente do Ribatejo e também com 3 filhos), tenho um galinheiro igual a esse mas o meu cão (que descobriu que ali haviam ovos) destruiu a zona dos ninhos! Agora temos galinhas a colocar ovos pelo quintal, no meio das silvas (sem dúvida que é bem mais rústico 🙂 mas dá um certo trabalho procurar os ovos). E sim, o cão dá-se bem com as galinhas.
    Gostei da ideia das ementas, se bem que os meus miúdos iam estranhar certas refeições (falta de hábito, aliada à esquisitice normal de certas idades).

COMENTAR