SETE DIAS SETE PRATOS · LU VALLES

Comecei por conhecer um bocadinho da Lu e da sua família pelo Rebuçado Ácido, o primeiro blogue português com um foco em moda infantil sem fru-fru. Na altura, uma verdadeira lança em África, no meio de tanta gola rendada e laçarotes. Anos largos mais tarde fui dar, via instagram, com uma talentosa fotógrafa que captava o dia-a-dia dos seus filhos tal como ele era: autêntico, sem os tais fru-frus e que ainda por cima, parecia viver em Portugal. Facto que me deixou mais curiosa, já que este estilo de fotografia de família completamente diferente do que se via por cá. Era novamente a Lu, claro.

Eu adorava as fotografias e registo da Lu. Através dele, descobri alguns pontos em comum e acabámos por trocar alguns comentários e mensagens ocasionais. Até que um dia, a Lu mandou-me um email, propondo retratar a nossa família de forma espontânea e sem pose. Digo sempre que abrir este e-mail foi como receber um presente: não só nos trouxe as nossas fotografias mais bonitas e autênticas dos últimos anos, como nos trouxe também a sua amizade.

Queridos leitores, hoje no Sete Dias Sete Pratos, a talentosa e sempre à frente, Lucianne Valles:

Eu gosto imenso de comer bem, sempre gostei e era uma criança que comia de tudo – adoro dizer isso aos meus filhos. Nasci no Brasil num período de crise e comer fora não era sequer opção. Ambos os meus pais cozinhavam, cada um no seu estilo, um completamente diferente do outro. A minha mãe, como boa italiana, fazia muitas massas e quase todos os pratos levavam molho de tomate. O meu pai, por sua vez, era especializado em carnes. Os seus assados no forno, todos os domingos, são uma lembrança muito forte da minha infância.

No entanto, comíamos muitas vezes bife com arroz nos dias de semana, facto que uma vez levou, a que eu e o meu irmão organizássemos uma “rebelião”. Estávamos fartos e queríamos mais criatividade na cozinha.

Hoje penso nisso, porque estou do outro lado e sei como é difícil encontrar energia todos os dias para fazer um jantar criativo depois de um longo dia de trabalho. Mas mesmo assim procuro variar os pratos, sem complicar demasiado a minha vida, embora às vezes falhe neste objectivo… Algo que eu faço sempre, numa tentativa de me poupar tempo, é ir ao mercado público comprar legumes, frutas, carne e peixe, sempre tendo em mente os pratos que irei fazer durante a semana.

SEGUNDA-FEIRA · Pescada no forno com legumes cozidos
Para começar a semana pegando leve com um prato simples de fazer. Um pouco de azeite no fundo de um tabuleiro, cebola, tomate, pimentos, a pescada temperada com sal, alho e sumo de limão e muitos coentros. Para acompanhar batata, batata doce e cenoura. Confesso que os legumes nem sempre fazem muito sucesso.

TERÇA-FEIRA · Feijoada vegetariana
Ando obcecada com os grãos e faço muitas vezes numa tentativa de ter uma refeição reforçada mas sem carne. Esta feijoada é super rápida de fazer e perfeita para os dias com pouco tempo ou disposição. Refogo cebola, alho e cenoura primeiro, depois acrescento tomate picado e courgette e deixo cozer. Quando os legumes já estiverem macios, acrescento o feijão já cozido com a água de cozedura.

QUARTA-FEIRA · Massa com camarão ao alho
Quarta-feira é o dia que o pai não janta connosco, pois vai jogar futebol, por isso não passo muito tempo na cozinha a inventar. Todos os meus filhos adoram camarão e digo isto porque é raro ter unanimidade lá em casa.
Como fazer: pôr azeite numa frigideira com 3 dentes de alho, sal, pimenta e paprika. Deixar dourar e a seguir acrescentar os camarões com sumo de limão e coentros. Está pronto quando os camarões tiverem cozidos. Depois é só juntar ao esparguete.

QUINTA-FEIRA · Rolo de carne, arroz e couve-flor com queijo
Carne só é uma unanimidade lá em casa se for picada e de preferência em formato de hambúrguer. Gosto sempre de temperar a carne picada, seja para hambúrguer, almôndegas ou rolo de carne. Ponho a carne numa tigela e junto um ovo cru, pão ralado ou bolacha de água e sal esmagada, parmesão (muito!), mostarda, cebola e alho, sal e pimenta. Amasso tudo e espalho sobre película aderente. No meio coloco mozzarella de búfala e tomate e enrolo. Vai ao forno num tabuleiro com um pouco de azeite. A couve-flor é cozida com água e sal e quando estiver pronta, dourar numa panela com manteiga, bastante parmesão e orégãos.

SEXTA-FEIRA · Pizza
Sexta-feira é aquele dia que estar na cozinha é a última coisa que me apetece. Às vezes encomendamos pizzas, às vezes fazemos e os mais velhos fazem questão em ajudar.

SÁBADO · Caril de frango
Dos nossos pratos preferidos, o caril de frango é sempre uma boa solução. Refogo cebola, o alho e o tomate e acrescento uma colher ou duas de caril. Deixo fritar um pouco e adiciono os quadrados de frango. Tampo e deixo cozer por uns 10 minutos. Depois junto o leite de côco com uma maçã aos quadrados. Os coentros picados vão à parte.

DOMINGO · Sopa de feijão e massa
Digo aos meus filhos que domingo é o dia de sopa porque é a única forma de os fazer comer mais legumes. Quando se torna um ritual, é ainda mais fácil. Faço a sopa com vários legumes e quando está pronta junto metade dos feijões cozidos à parte e trituro tudo. Também à parte cozo a massa (conchinhas ou cotovelinhos). No fim é só juntar os três: sopa triturada, feijões e massa. Come-se com muito parmesão.

É designer gráfica. Vive em Lisboa e tem dois filhos. Gosta de dias que se desenrolam sem planos, de caminhar, de fotografia e não passa sem doses maciças de sol. Da vontade de abrir caminho para uma vida mais simples, em sintonia com o seu ritmo e o da natureza, inicia o blogue Slower em 2015. Dois anos depois, abre a casa a colaborações e torna o Slower numa comunidade participativa. Acredita que um dia ainda vai fazer um inter-rail com os filhos e que eles vão gostar. É uma optimista.

PARTILHAR Tweet about this on TwitterShare on FacebookPin on PinterestGoogle+Email to someone

COMENTAR