NA VOLTA, OFICINA CRIATIVA


Defeito de formação ou não, tenho um olho bem aberto para padrões e texturas à minha volta. Eles aparecem em folhas e troncos, paredes descascadas, sombras em lençóis amachucados. Depois vêm as tintas, as aguarelas e os marmoreados com a sua fluidez e possibilidades infinitas. Uma organicidade (isto diz-se?) que me atrai.

Sempre quis aprender esta técnica, mas era difícil encontrar onde aprender num horário compatível com quem trabalha das 9.00 às 18.00. Por isso, quando soube que a Julie vinha cá fazer um workshop de marmoreado em tecido num sábado, agarrei rapidamente no calendário para ver se tinha essa manhã livre. Para melhorar, o workshop ia acontecer no Volta, uma oficina cheia de bons pretextos para visitar e que estava para conhecer há que tempos. Cereja no topo do bolo, a minha amiga mais talentosa também se tinha inscrito. Num telefonema as crianças foram recambiadas para ir passar a noite de véspera aos tios, um programaço prometido desde o Natal, e confirmei presença.

Foi a meio da semana, que fiquei a saber que o V. tinha jogos a decorrer nessa mesma manhã em horas incompatíveis com o programa dos tios. Tive ali um momento que desmoralizei, ainda é um desafio pôr o “meu tempo” na linha da frente. Mas passado esse primeiro momento e depois de mais uns telefonemas, um plano A e um plano B, tudo se alinhou de novo. A A. acompanhar-me-ia no workshop e o V. iria aos jogos.

Quando chegámos, a Julie estava já arrancar. Ficámos saber que era norte-americada baseada em Barcelona, e que, a curiosidade pelas artes manuais antigas a levou a explorar esta técnica de forma autodidata.

Depois de aprendermos um pouco sobre a história e o processo, foi pegar num avental e mãos à obra. Só vos posso dizer que o tempo voou, de tão bom que foi. A cada experiência íamos ficando mais entusiasmadas com os resultados e brincando com novas cores, técnicas e movimentos. As fotos falam por si, parece-me.

A Volta é um projecto inspirador, pronto para receber todos os que gostam de meter a mão na massa e equipado com ferramentas para todos os gostos. Além do espaço, gostei muito de conhecer a Rita e a Julie que, para lá da simpatia, foram ultra atentas e prestáveis para que tirássemos máximo partido. E, finalmente, adorei partilhar esta experiência criativa lado a lado com a minha filha. Foi mesmo bom e tenho a certeza que muitas mais virão.

Na Volta também se brinca com madeiras…
… e fazem-se candeeiros com o Francisco.

 

E vocês, partilham alguma actividade criativa ou hobby com com os vossos filhos?

 

É designer gráfica. Vive em Lisboa e tem dois filhos. Gosta de dias que se desenrolam sem planos, de caminhar, de fotografia e não passa sem doses maciças de sol. Da vontade de abrir caminho para uma vida mais simples, em sintonia com o seu ritmo e o da natureza, inicia o blogue Slower em 2015. Dois anos depois, abre a casa a colaborações e torna o Slower numa comunidade participativa. Acredita que um dia ainda vai fazer um inter-rail com os filhos e que eles vão gostar. É uma optimista.
PARTILHAR Tweet about this on TwitterShare on FacebookPin on PinterestGoogle+Email to someone

COMENTAR