DESAFIO DESTRALHAR . 2º MÊS


slower_destralhar_ii_01

O resumo do segundo mês do desafio destralhar tardou em chegar, com férias e verão pelo meio, mas aqui está ele.
A grande novidade é que, perante a quantidade de coisas em bom estado de que não precisava, resolvi vender algumas, através de boca-a-boca e online aqui, se quiserem espreitar.

SEMANA 5 . MULTIMÉDIA E INFORMÁTICA
Tinha um computador antigo guardado à espera de um dia dar jeito aos miúdos, mas acabei por concluir que à velocidade que as coisas andam, não fazia sentido mantê-lo e vendi-o.
Quanto à televisão, tão velhinha como gigante, também se vai embora. Parece-me que durante as férias de verão “estragou-se” sem reparação possível. Vale a pena explicar que cá em casa o “screen time” é racionado até que a escola assim o exija. Não que pretenda manter as crianças info-excluídas para sempre, mas acredito que, por muito boas apps e programas de televisão que existam, nesta fase a experimentação e a brincadeira são muito mais ricas em termos de desenvolvimento, estimulando a  actividade, a curiosidade, a proximidade familiar e o desenvolvimento social.
A aparelhagem está estragada pela 3ª vez, à custa de empurrões na gaveta dos cd’s pelas mãos pequeninas lá de casa (da última vez que foi a arranjar, descobri lá enfiados 2) e tenho vivido nos últimos anos mais tempo sem aparelhagem do que com. Na verdade, apesar de ouvirmos muita música, não tem feito grande falta, facto em parte devido à evolução no digital. Ainda não decidi se fica ou vai, mas para já, vai para arranjar.
Quanto aos cd’s propriamente ditos, depois de uma triagem, pus uns quantos à venda por um preço simbólico. Alguns deles (olá skunk anansie), não obstante terem tido o seu momento, já não são ouvidos há muito tempo.
O telefone fixo também é coisa que não tem uso por aqui e foi reciclado, juntamente com cabos e outros fios excedentes.

SEMANA 6 . MANUALIDADES
Esta foi a etapa mais penosa até agora. Ao longo dos anos, acumulei mais tecidos do que conseguiria alguma vez dar vazão em projectos de costura. Abri-os, um por um, tirei medidas, separei em grupos e depois de guardar os meus preferidos e doar outros mais velhinhos para serem transformados em trapilho, coloquei à venda os restantes.
No meio desta triagem, juntei também 4 sacos de farrapos e desperdícios têxteis, e entreguei-os para reciclagem. Em troca, recebi vales de desconto para gastar  em roupa.
Além disso, fiz uma grande limpeza pela caixa e gavetas da costura, que ainda tinha algumas coisas muito puídas e sem uso possível de quando a herdei da minha avó.
Terminei com uma passagem pelos pinceis e tintas e descobri que alguns destes frasquinhos, mesmo sem uso há 10 anos, ainda a conservavam intacta. Com esta etapa vieram novas ideias e a vontade de pegar em alguns projectos.

slower_destralhar_ii_02

SEMANA 7 . BRINQUEDOS
O tema dos brinquedos dá pano para mangas e a seu tempo, terá um artigo a ele dedicado.
Nos quartos dos miúdos, contei com a ajuda deles e nem poderia ser de outra maneira. Comecei pelo quarto mais difícil, o da A. Sendo uma miúda que adora manualidades, é-lhe difícil separar-se das coisas, pois em cada meia rota, concha ou palhinha, vê novas possibilidades. E eu adoro isso nela. Demorámos uma semana a separar tudo e o quarto estava de tal maneira impraticável que ela dormiu comigo nesses dias. Deste quarto saíram 2 sacos azuis do ikea, com coisas para as amigas, para rifas do arraial da escola, para reciclagem e para o lixo.
Com o V., foi tudo muito mais rápido. Na verdade, acho que ele não precisa de muito mais que uma bola para ser feliz. E eu adoro isso nele. Deste quarto saiu uma bancada de ferramentas em madeira que vendi e mais um saco azul do ikea com alguns brinquedos repetidos e outros partidos ou incompletos.

slower_destralhar_ii_03slower_destralhar_ii_04

SEMANA 8 . HIGIENE PESSOAL E COSMÉTICA
Esta foi uma das etapas mais fáceis. No último ano, tenho feito por gastar tudo até à última antes de comprar produtos de higiene. E mesmo aí, também por uma questão de orçamento, sou bastante contida. O meu creme de cara, por exemplo, acabou há umas semanas e comecei a usar o óleo de côco da cozinha como hidratante.
Como também não tenho o hábito de me maquilhar diariamente, não pinto as unhas e (bendito laser) a depilação acabou há anos, guardava pouca coisa. Mesmo assim, ainda deitei fora umas limas velhas, lápis muito velhinhos que já tinha herdado da minha mãe. Outras coisas, como sombras quase novas, pinceis e blushes, distribuí por amigas.
No que toca a medicamentos, costumo verificar prazos de validade com alguma regularidade, mas mesmo assim reuni um saco pequeno que entreguei na farmácia.
Mesmo sem grandes sacos a sair da casa de banho, é uma boa sensação ficar apenas com aquilo que usamos e este espaço ficou também mais fácil de limpar e organizado.

slower_destralhar_ii_05

PRÓXIMAS ETAPAS
Com estas etapas concluídas, vamos a meio e parece-me que o pior ficou para trás. Deixo novamente a cábula para relembrarem as etapas e algumas ideias para o que vem aí:

  • Resistir ao impulso de comprar caixas e arquivadores para arrumar o que temos. A compra de artigos para guardar outros nesta fase é contraproducente, pois a ideia é precisamente libertarmo-nos do que não usamos em vez de o guardar. Ainda vou a meio do processo e já começo a ter caixas e gavetas de sobra.
  • Eliminar os duplicados e triplicados. Na verdade podemos passar muito bem só com um escorredor, saca-rolhas etc, mochila, escova de cabelo, etc.
  • Verificar se os itens que não estão em bom estado ou a funcionar poderão ser reparados. Caso não seja possível, poderão sair.
  • Olhar para cada artigo e reflectir sobre a sua utilidade versus espaço e manutenção. Questionar se, de futuro, podemos passar sem estes.
  • Certificarmo-nos de que um artigo se gasta até ao fim antes de comprar outro e de que esta compra é uma necessidade. Poderá dar-se o caso de que outro produto que temos (como por exemplo o sabão ou o vinagre) possa servir para o mesmo efeito.

Boa sorte, e se ainda não o tens, descarrega aqui o Guia para Destralhar a Casa

PARTILHAR Tweet about this on TwitterShare on FacebookPin on PinterestGoogle+Email to someone

7 Comments

  1. ver os teus progressos e as fotos da tua casa que respira espaço, é de facto inspirador:) por aqui continuo desorganizada, porque em vez de seguir a regra do tema, continuo a ir por zonas da casa. mas a verdade é que esvaziei a sala, de tudo, móveis incluídos e voltei a colocar, apenas aquilo que gostava mesmo muito, tirei livros e revistas, refiz as cortinas e a minha sala parece 2 vezes maior, 1000 vezes mais fácil de limpar e arrumar. foi bom para me dar alguma motivação. depois peguei nos brinquedos, porque estava impraticável, já retirei 2 caixotes, mas preciso de retirar ainda mais. fiquei por aí, sendo que ainda vou ter de abandonar esta parte para pegar de uma vez por todas em roupa, aí sim, em toda a roupa. acho que vai ser fácil, pois ultimamente a roupa entra e sai da minha vida com muito mais facilidade. as peças vintage mesmo lindas, guardo numa caixa na esperança que um dia alguém as encontre e delire com elas como eu um dia fiz.
    obrigada por leres o meu blog, fico feliz. estou parada há meses, porque mudei de profissão e meti-me num projecto muito exigente que levou todo o meu tempo. mas estava agora mesmo a pensar no meu blog e vou voltar. bjs e continua com o teu que é verdadeiramente inspirador.

    1. Silvia, obrigada pelo teu feedback positivo, fizeste-me o dia 🙂 Que bom que estás a conseguir avançar à tua maneira. O importante é mm conseguir começar, indepentemente do método. Continua a partilhar os progressos, eu vou fazendo o mesmo! E fico contente que voltes a escrever, gosto sempre muito de te ler. beijinhos

  2. Olá Filipa, já seguia a conta no Instagram e agora acabei por vir dar ao blogue!
    Também ando numa febre de destralhar desde que cheguei de férias, mas ainda não estou tão adiantada…
    Gostei imenso do post. Um beijinho
    Diana

    1. Olá Diana, obrigada e bem-vinda! Gostei muito do teu artigo sobre fashion low cost e das tuas dicas para o capsule wardrobe. Há uns tempos tb escrevi sobre o custo do roupa barata, mas não conhecia a reportagem que mencionaste, vou ver! bj

COMENTAR