7 RAZÕES PARA CRIAR UMA DESPENSA SAZONAL



Há cerca de 5 anos atrás trouxe de uma feira de velharias o clássico conjunto de caixas farinha-grão-acúcar-arroz-etc. Eram lindas de morrer e ficaram a matar na cozinha. Eram também enormes e durante alguns anos não lhes dei outro uso que não o decorativo. A verdade é que o pacote de 1 kg de grão ou arroz que comprava ficava lá a boiar. Estas caixas pertenciam claramente à geração que mantinha e se abastecia na sua despensa.

Nessa altura, as famílias eram mais numerosas, quer pelo número de filhos ou pelo facto de agregarem tios, avós e às vezes até, outra família. A vida era difícil mas, se por um lado havia menos poder de compra e diversidade de produtos disponíveis – nunca se tinha ouvido falar em feijão mungo ou quinoa, aposto – por outro, de uma maneira geral, as pessoas eram mais auto-suficientes. Quem vivia nas cidades, mantinha uma ligação próxima à terra da família, onde se abastecia de tempos a tempos. Além disso, as hortas urbanas proliferavam e era comum haver galinhas e coelhos nos quintais lisboetas.

Havia uma infinita capacidade criativa para esticar e variar com o que havia e, sobretudo, tempo para o fazer. A beleza da gastronomia portuguesa reside precisa e orgulhosamente aí. Não é à toa que existem 1001 receitas de bacalhau. A necessidade aguça o engenho.

Nesse contexto, as grandes caixas verdes faziam todo o sentido. E se calhar voltam a fazer agora. Nos últimos anos, o movimento zero desperdício tem ganho adeptos, há cada vez mais lojas a granel e o recente boom à volta da alimentação saudável promove o consumo de alimentos simples em vez dos processados.

Enquanto ia divagando sobre simplicidade, introduzindo alterações e recordando as cozinhas e gestão doméstica dos anos 80, ficámos sem carro. Passado o pânico inicial (sobre isto um artigo em breve), a mudança que vinha acontecendo nos hábitos alimentares cá de casa foi reforçada por esta nova condicionante.

Passei a pedir a entrega do nosso cabaz de verdes em vez de o ir buscar. Passei a comprar mais nas frutarias dos meus percursos a pé e menos em supermercados. Passei a limitar idas à loja a granel a uma vez por mês, apostando na quantidade.

Com tudo isto, pouco a pouco, as caixas verdes lá de casa começaram a ter mais uso e comecei a criar uma despensa. Ao contrário do que supunha, a vida tornou-se mais simples e somou ainda outros impactos positivos. De tal maneira que estou apostada em tornar a minha despensa mensal em sazonal e vos desafio a considerar esta ideia.

VANTAGENS DE UMA DESPENSA SAZONAL

  1. Menos idas às compras e mais tempo livre.
  2. Menos oportunidades para compras desnecessárias.
  3. Menos preocupação e cabeça mais leve.
  4. Mais poupança através da compra de maior quantidade.
  5. Menos desperdício de alimentos.
  6. Menos corridas ao eco-ponto.
  7. Menos embalagens e impacto ambiental.

COMO COMEÇAR

  1. Começa com uma limpeza no frigorífico, congelador e despensa. Deita fora o que está fora do prazo ou dá a alguém aquele molho que sabes que não vais usar. É uma boa altura para perceber o que usas mais frequentemente.
  2. Faz uma lista dos pratos que têm mais saída em tua casa por estação.
  3. Com base nessa lista, faz uma lista de ingredientes que têm um bom prazo de validade.
  4. Guarda a lista que fizeste nas notas do telemóvel e faz as tuas compras gradualmente, aproveitando promoções e a sazonalidade dos produtos.
  5. Privilegia a compra de produtos simples e não processados como leguminosas. São saudáveis, versáteis e acessíveis.
  6. Aproveita produtos sazonais que te sejam acessíveis ou estejam com um preço reduzido para fazer conservas como compotas, molhos ou fermentados.

O que acham? Partilhem as vossas ideias.

É designer gráfica. Vive em Lisboa e tem dois filhos. Gosta de dias que se desenrolam sem planos, de caminhar, de fotografia e não passa sem doses maciças de sol. Da vontade de abrir caminho para uma vida mais simples, em sintonia com o seu ritmo e o da natureza, inicia o blogue Slower em 2015. Dois anos depois, abre a casa a colaborações e torna o Slower numa comunidade participativa. Acredita que um dia ainda vai fazer um inter-rail com os filhos e que eles vão gostar. É uma optimista.
PARTILHAR Tweet about this on TwitterShare on FacebookPin on PinterestGoogle+Email to someone

10 Comments

  1. Também tenho a bela da colecção das caixas: https://www.instagram.com/p/q4Dn6DJ8aj/?taken-by=asilviasilva
    Sobre as compras mensais ou sazonais para mim nunca funcionou bem, acabo por desperdiçar mais. compro aqui perto de casa num super pequeno tudo o que preciso e compro só o que vou consumir a curto prazo, tenho um frigorífico e congelador muito pequeno e não gosto de armazenar.
    Como compro sempre o pão e os frescos com muita frequência, faço-o tb para as restantes coisas e é desta forma que acabo por deitar menos coisas fora, porque consumo tudo o que compro. O comprar sempre no mesmo sítio e num local pequeno evita distrações e compras de coisas que não tenho intenção.

    1. muito importante o que aqui frisas, Filipa, sobre cozinharmos produtos sazonais. Percebi há pouco tempo que há muita gente (mesmo!) que não faz ideia da “estacao” de cada fruta, por exemplo, e tal como a fruta há peixe específico também , vegetais, ou outros. Há um livro muito giro do Luis Saraiva só com receitas ao longo do ano, em que se apreende imenso sobre isto.
      Para além de mais económico é sem dúvida muito mais saudável e amigo do planeta 😊

  2. Olare! Que delicia este teu artigo!
    Vivo numa terra do litoral alentejano ontem as despensas não existem, pois a maioria das casas foi construída a pensar no turismo e não em ser uma habitação permanente! Ora a nossa despensa são armários e aí começa a diversão!
    Muito inspirado por ti e pela Maria, e lembrando os maravilhosos ensinamentos da minha doce avó materna, compro leguminosas secas e depois demolho-as antes de as cozinhar! É um processo tão giro!
    Quanto á sazonalidade dos produtos, temo-lá muito em conta cá por casa! Pelo preço, pela intenção de passar esses valores aos rapazes e pela facilidade com que se arranjam no mercado!
    Claro que também há excepções (como comer morangos em fevereiro qd o rapazola faz anos!) mas mesmo essas excepções se dão devido ao facto incontornável de vivermos num conselho onde ha imensas estufas do género! Ora assim, estes frutos tipicamente sazonais, acabam por estar disponíveis o ano quase todo!
    Uma vez por outra, não faz mal…. e a excepção faz a regra! 😉
    Adorei o artigo…. venham agora algumas receitas sazonais… para variar as cá de casa!!
    Beijos da costa alentejana,
    Xana

  3. Acho que o segredo de uma boa alimentação é variar aquilo que ingerimos, e se seguirmos o ritmo das estações tudo se torna mais fácil e saudável.

  4. Um artigo muito interessante. Por aqui prefiro fazer as compras semanalmente, opto por comprar em supermercados pequenos para evitar o supérfluo das compras. Antes de fazer a lista de compras dou sempre uma vista de olhos à despensa para ver o que está em falta. Mas mesmo assim sinto que há sempre forma de melhorar. Aguardo por novas dicas 🙂

  5. Já não faço ideia da sazonabilidade das coisas, mas como compro os legumes e frutas na feira, cá me vou orientando. Há coisas que me recuso, que é comprar morangos em outubro, ou melancia. E uma coisa que adoro e nunca sei a época, acelgas!!!!

COMENTAR